Os 5 maiores erros na dieta dos filhos

A obesidade infantil é uma realidade cada vez mais frequente em todo o mundo e, na maioria das vezes, a alimentação inadequada começa em casa. 
Resultado de imagem para obesidade infantil
A Organização Mundial de Saúde avalia que a obesidade é um dos fatores que mais contribuem para o aumento dos casos de câncer, hipertensão, problemas renais e diabetes, entre outras doenças crônicas. Apesar dos alertas, a doença tem se tornado cada vez mais comum no Brasil e no mundo, principalmente entre as crianças.

Segundo o relatório "Pelo Fim da Obesidade Infantil" (2016), o problema atinge 41 milhões de crianças menores de cinco anos. Ainda de acordo com a pesquisa, os casos de obesidade estão relacionados a fatores comportamentais, deixando apenas 5% para os fatores genéticos e 10% a causas hormonais tratáveis. Portanto, não adianta culpar a “genética” ou os hormônios. Os números mostram que os maus hábitos e a má qualidade da alimentação são os principais causadores do sobrepeso.

Nutricionista funcional e coach em emagrecimento, Gladia Bernardi (Associada ao Health Coaching International Institute, escola pioneira em Coaching de Emagrecimento) defende que pais e responsáveis são os verdadeiros culpados pela obesidade infantil, pois a rotina alimentar, seja ela boa ou ruim, começa na família. “A criança constrói a sua primeira relação com a comida dentro de casa, aprendendo com os adultos, que são o exemplo”, diz ela.

Gládia enumera os maiores “inimigos” da saúde das crianças:

OFERECER ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS COM FREQUÊNCIA
Imagem relacionada
Apesar de os pediatras indicarem somente leite materno (ou fórmula em casos especiais) como alimento até os seis meses de idade,12% dos bebês dessa faixa etária comem macarrão instantâneo, segundo dados do Ministério da Saúde. Além disso, 72% das crianças com até dois anos comem biscoitos recheados e 48% delas tomam refrigerante regularmente.
Uma criança com menos de um ano parece ser capaz de fazer o próprio macarrão instantâneo? Claro que não! Quem preparou essa refeição inadequada, sem dúvida nenhuma, foi um adulto.
Esse é um grande erro, que deve ser evitado pelos pais, pois coloca a saúde da criança em risco.

MONTAR LANCHEIRAS POUCO SAUDÁVEIS
Imagem relacionada
A obesidade infantil e a adulta crescem juntas no mundo todo. Os pequenos aprendem e criam os primeiros hábitos dentro de casa. São os pais que nos apresentam a forma de viver e se relacionar com tudo, inclusive com a comida.
Os maus hábitos alimentares geralmente adquiridos na infância, e são os responsáveis pela maioria dos casos de sobrepeso. A família sempre deve dar preferência a refeições saudáveis e, quando as crianças forem para a escola, a lancheira também precisa conter bons alimentos e em porções adequadas às necessidades da idade.

USAR A COMIDA COMO RECOMPENSA
Resultado de imagem para CRIANÇA GULOseimas
Você usa os alimentos saborosos (e calóricos) como recompensa pelo bom comportamento dos filhos? Essa é uma péssima escolha para o futuro da criança. Eles vão crescer com uma percepção deturpada da comida, que será difícil de corrigir na vida adulta.
Pesquisadores da Norwegian University descobriram que cerca de dois terços das crianças dão sinais de que comem para se sentir melhor. Em longo prazo, essas recompensas podem levar à compulsão alimentar.


SUBESTIMAR O AUMENTO DE PESO DA CRIANÇA
Resultado de imagem para CRIANÇA ACIMA DO PESO
O modo como os pais pensam --inclusive como eles se relacionam com a questão do peso dos filhos-- gera uma percepção equivocada da condição das crianças. Pais com a “mente gorda” adotam em seu dia a dia e ensinam aos filhos hábitos alimentares prejudiciais, apresentando percepção distorcida sobre o ganho de peso da criança.
Segundo um estudo realizado no Hospital Universitário da USP, em 2015, 58% das mães subestimam o peso dos filhos. Esse equívoco retarda o tratamento e faz com que o número de crianças com diabetes tipo 2 e colesterol aumente a cada ano.

ERRO NA ESCOLHA DO TRATAMENTO ADEQUADO
Resultado de imagem para CRIANÇA REMÉDIO
Experiências mal-sucedidas com dietas comprometem a autoestima das crianças e por isso devem ser evitadas ao máximo. O recomendado é sempre um tratamento acompanhado de um profissional, e o mais indicado é um coach de emagrecimento.
O tratamento para as crianças deve ser cuidadoso e eficiente, para evitar que ela se torne um adulto obeso.
É viável fazer coaching em crianças, desde que conte com a supervisão dos pais. Existem algumas técnicas usadas para criar laços e cumplicidade com a criança. Assim, ela será capaz de compartilhar sensações, momentos, histórias e situações com o profissional, o que é essencial para o sucesso do tratamento.


0 comentários:

Postar um comentário